sangue

sangue

Aqui você obterá todas as informações necessárias para se tornar um Doador de Sangue:

O sangue é um elemento indispensável à vida. Sem o nosso sangue, seríamos incapazes de oxigenar e nutrir nosso corpo, e morreríamos. Não há nada que substitua esse nosso tecido líquido.

O sangue das pessoas saudáveis é constantemente renovado, conforme a necessidade do organismo. A perda de sangue que ocorre na doação é reposta em pouco tempo. Elas são plenamente capazes de doar, e sua atitude generosa pode salvar não apenas uma, mas três vidas. Isso porque o sangue colhido do doador é fracionado em três componentes: as plaquetas, as hemácias e o plasma, cada um com um destinatário diverso.

São muitos os casos em que é preciso recorrer ao banco de sangue: transplantes, grandes cirurgias e vítimas de acidentes precisam de transfusão. Portadores de doenças graves cujo organismo não é capaz de produzir as células sanguíneas necessárias, seja por deficiência natural, seja por tratamento que bloqueia sua produção, como a quimioterapia, também precisam de transfusões sanguíneas para sobreviver. Nesta categoria se enquadram algumas doenças do sangue, portadores de câncer diversos e de leucemia.


São tantas pessoas que precisam de sangue, que não raro algumas delas são nossas conhecidas, amigas ou parentes. Mas o banco de sangue também existe para ajudar aquelas pessoas anônimas, que não têm ninguém à sua volta que possa ajudar, ou simplesmente quando não há tempo de convocar familiares para doar sangue, o que é comum em acidentes graves, como os automobilísticos, quando a perda é muito grande.


Os doadores podem não saber o destino de seu sangue na hora da doação, na maioria das vezes, mas de uma coisa têm certeza: o que fazem é indispensável à vida.

PARA QUEM DOAR?

Existem inúmeras situações que demandam sangue. Todas as pessoas que estão passando por tratamentos como quimioterapia, cirurgias e transplantes precisam de sangue, além de acidentados e portadores de algumas doenças do sangue.

O doador espontâneo não sabe quem será o receptor do seu sangue, mas sabe que sua atitude é fundamental para salvar vidas. Sabe inclusive que um dia pode necessitar de sangue de outros. Por isso precisamos criar a consciência da necessidade de doar sangue entre as pessoas. Em outros países ela já é bem desenvolvida, e as pessoas, conscientes de sua responsabilidade social, desenvolvem o hábito de doar sangue.

COMO E ONDE DOAR?

Doadores de sangue são pessoas especiais, movidas pelo desejo de ajudar pessoas que muitas vezes não conhecem. Ao dedicar parte do seu tempo (45 minutos) para doar um pouco de seu sangue, o doador ajuda a salvar a vida de até três pacientes diferentes.

Os homens pode doar seu sangue até 4 vezes ao ano, com um intervalo de 60 dias entre cada doação, e as mulheres 3 vezes, com intervalo de 90 dias. Já no caso da doação de plaquetas por aférese, tanto homens como mulheres podem doar até 4 vezes por mês e 24 vezes por ano, com um descanso mínimo de 72h entre cada doação.

Aqui seguem alguns pré-requisitos para a doação de sangue:
  • Estar em boas condições de saúde e descanso
  • Ter entre 18 e 65 anos
  • Pesar no mínimo 50kg
  • Estar alimentado, evitando ingerir alimentos gordurosos
  • Apresentar documento oficial de identidade com foto.
Agende a sua Doação:

Hospital Edmundo Vasconcelos
Rua Borges Lagoa, 1450
Segunda a Sexta das 08h00 as 17h00 e Sábados das 8h00 as 16h00

Hospital do Coração – INCOR
Rua Abílio soares, 176
Segunda a Sexta das 08h00 as 17h00 e Sábados das 8h00 as 16h00

Hospital AC Camargo

Rua Professor Antonio Prudente, 211
Segunda a Sexta das 08h00 as 17h00 e Sábados das 8h00 as 16h00

Clinica do Sangue de São Paulo

Rua Brigadeiro Luiz Antonio, 2533
Segunda a Sexta das 08h00 as 14h00 e Sábados das 8h00 as 17h00


PASSO-A-PASSO DA DOAÇÃO

Doei meu sangue, onde ele vai parar? Essa é uma dúvida comum no banco de sangue da Biotec. É claro que o sangue não vai direto da veia do doador para a do receptor. Ele segue um 'fluxo do sangue', que visa torná-lo adequado e seguro para o paciente que precisa dele.

A primeira etapa da coleta de sangue é a triagem, realizada no próprio local de doação. Cada potencial doador passa por alguns exames, como a pesagem, verificação de pressão e teste de anemia, para avaliar seu estado de saúde. Além disso, é entrevistado por um médico através de um questionário com perguntas baseadas na lei, que ajudam na avaliação do estado de saúde do doador e seu comportamento.

A seguir é feita a coleta de sangue por meio de uma agulha inserida em uma veia no braço. O sangue coletado (470 ml no máximo, depende do peso do doador) é armazenado em uma bolsa individual. Acabou o trabalho do doador: ele pode comer um lanche, descansar um pouco e ir para a casa.

Na terceira etapa é que começa o trabalho laboratorial do banco de sangue: a separação em uma centrífuga de seus componentes em três porções menores, o plasma, o concentrado de plaquetas e o concentrado de hemácias. Antes de ser fracionado, as bolsas são submetidas a testes sorológicos.

Nesta etapa é que são detectadas doenças que o doador possa ter e que comprometem o sangue, como hepatite B e C, sífilis, HIV, HTLV I e II e doença de Chagas. Para reduzir ainda mais o risco de contágio de doenças na transfusão, a Biotec realiza um teste adicional, o NAT, que detecta o material genético do vírus, por testes de biologia molecular. Esse teste reduz a janela imunológica significativamente, aumentando a segurança da transfusão de sangue. Por exemplo, no caso de hepatite C a janela imunológica por teste convencionais é de aproximadamente 60 dias, já com o NAT ela diminuí para cerca de 20 dias. Já no HIV, ela vai de 21 para 11 dias.

As bolsas com resultados negativos para todas doenças estão enfim prontas para uso. Cada hemocomponente possui uma validade particular. As plaquetas duram 5 dias e ficam em temperatura de +22ºC até- 2ºC, precisando de agitação constante. O plasma dura 1 ano e é conservado a - 30ºC. Já as hemácias são armazenadas por até 42 dias em temperaturas de +4ºC a - 2ºC.

Quando surge uma necessidade de transfusão, é feita novamente uma bateria de testes, desta vez com o receptor. A enfermagem colhe uma amostra de sangue do paciente e realiza nele testes imunohematológicos. A partir dos resultados, o sangue compatível é retirado do banco de sangue e é feita a transfusão.


AFÉRESE

O sangue tem três tipos de substâncias aproveitáveis: as hemácias, as plaquetas e o plasma. Elas são separadas e cada receptor recebe somente a parte de que precisa.

Uma bolsa de sangue, equivalente à coleta de um doador, contém somente uma fração de cada uma dessas substâncias. Por isso, é necessário juntar o componente de aproximadamente 6 a 10 doadores para um único receptor de sangue.

Certos pacientes, pela natureza de sua doença, podem precisar de plaquetas, hemácias ou plasma de uma só pessoa, ou em grande quantidade. Nestes casos usa-se o sangue coletado por meio de aférese, um procedimento para retirada de um componente específico do sangue. O sangue é retirado, processado e devolvido ao doador, de forma simples, rápida e segura, geralmente por uma única veia do braço. O equipamento de aférese é capaz de extrair somente a fração ou componente desejado do sangue, devolvendo o resto. Não há risco de contaminação pois o kit de coleta é instalado no equipamento de aférese e descartado imediatamente após o uso.Vantagens e desvantagens para o doador
A coleta de sangue por aférese demora mais tempo (aproximadamente 1 hora). A quantidade de plaquetas é compensada pelo organismo mais rapidamente do que a doação de sangue total.

O doador de plaquetas por aférese pode doar até quatro vezes por mês. O organismo repõe as plaquetas doadas no prazo médio de 3 dias, e a doação pode ser repetida após 72 horas.

O doador de hemácias por aférese deve esperar o intervalo normal de doação de sangue, sendo 4 meses para mulheres e 3 meses para homens.

A doação de plasma por aférese não é usual, pois existe menor demanda por esta parte do sangue e ela se conserva por até um ano por refrigeração. Os demais componentes sanguíneos, por sua vez, se degradam rapidamente: as hemácias se conservam por 35 a 42 dias e as plaquetas por apenas 5 dias. Por isso, quando surge a demanda por estes componentes, a aférese é um instrumento valioso de coleta.


OS REQUISITOS PARA DOAR SÃO IGUAIS PARA TODOS OS TIPOS DE DOAÇÃO

O que são plaquetas?

As plaquetas são responsáveis por ajudar a conter os sangramentos. Circulando pelo sangue, elas aderem às paredes dos vasos sanguíneos danificados, formando um pequeno tampão e impedindo a perda de sangue. Pessoas com poucas plaquetas têm dificuldade em parar de sangrar (hemorragia) mesmo em ferimentos pequenos ou sangramentos espontâneos. Plaquetas geralmente são necessárias para pacientes que por motivo de doença param de produzir ou diminuem drasticamente a produção de plaquetas, necessitando de transfusão.

As plaquetas têm validade de apenas 5 dias após a doação, e precisam portanto ser repostas em estoque constantemente.

 

Fontes Consultadas: clubesanguebom.com.br; INCA